A QUE VEIO ESTE BLOG?
VEIO PARA DIVULGAR PROJETOS NOS MAIS VARIADOS CONTEÚDOS, TEMAS, FORMAS, NECESSIDADES E AFINS, CLARO!
SINTA-SE A VONTADE PARA USUFRUIR DE TUDO QUE FOR ÚTIL PARA SUA AULA.
DIVULGUE, PARTICIPE, COMENTE!
04 DE JULHO DE 2011
Um blog aliado às pesquisas de professores, pois existem muitas possibilidades lúdicas pela net,
além de inúmeros endereços pedagógicos incríveis.
Aqui vocês terão as postagens originais, ou partes delas,
adicionados às demais informações necessárias, com os devidos créditos atribuídos.
Amiga blogueira, se desejar divulgar seus projetos, entre em contato.

PROJETO DIDÁTICO

PROJETO DIDÁTICO: Reunião de atividades que se articulam para a elaboração de um produto final forte, em que podem ser observados os processos de aprendizagem e os conteúdos aprendidos pelos alunos. Costuma partir de um desafio ou situação-problema. Trabalhados com uma frequência diária ou semanal, podem estender-se por períodos relativamente prolongados (um ou dois meses, por exemplo), tornando os alunos especialistas num determinado tema.

domingo, 14 de agosto de 2011

quinta-feira, 4 de agosto de 2011

A Galinha D'angola

A galinha d’angola

Autor: Vanessa S.C Galvão

Objetivos:

• Conhecer a cultura afro através de músicas e da contação de história (Bruna e a galinha d’angola, a lenda da galinha d’angola).
• Conhecer a história da África, especialmente o país de Angola, seus costumes, seus valores, o sofrimento que enfrentaram devido ao regime de segregação racial e ao racismo que “atravessou os mares”.
• Conhecer cientificamente as características da galinha d’angola, seu habitat, sua reprodução etc.
• Desenvolver habilidades artísticas por meio da confecção de um móbile.
• Conhecer a estética presente nas cores e formas típicas da cultura africana, presentes na galinha d’angola.
• Despertar-se para o respeito às diferenças.
• Ampliar o universo vocabular por meio do acesso a palavras novas.
• Despertar-se para os valores cultivados na África: sentimento de tribo, solidariedade, perdão, união etc.
• Conhecer as dificuldades enfrentadas pelos povos africanos.
• Entender o significado de ubuntu e despertar-se para a prática cotidiana de seu significado.
• Despertar para o valor das raízes negras no Brasil.
• Desenvolver o senso ético através das reflexões sobre o racismo e a cultura afro-descendente.
• Desenvolver o senso estético através dos painéis e do móbile feitos pelas crianças adaptados do livro: Bruna e a Galinha d’angola.
• Trabalhar a subjetividade e a importância do brincar e da amizade propostas pela história.

Duração das atividades: Poderá ser realizado em dois meses.
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno:
O professor poderá iniciar a temática com algumas perguntas problematizadoras para observar o que a criança já sabe ou não sobre o assunto:
Você conhece uma galinha d’angola? Por que ela tem esse nome? Você já ouviu em algum lugar o nome Angola? Como são as cores desse animal? Podemos comer a carne desta ave? Como ela vive, se alimenta, se reproduz? Você conhece alguma música ou história que fala sobre essa ave?
Estratégias e recursos :
Atividades a serem desenvolvidas: valorização da cultura escrita, leitura, escrita e oralidade:
1° momento:
Iniciar a temática sobre a cultura afro brasileira através da música de Vinícius de Moraes:
A galinha d’angola.
 Ouvir e interpretar a música. Realizar o registro: desenho coletivo.
Tentativa de escrita da palavra galinha e ou palavras que iniciem com a letra G.
2° momento:
Hora de pesquisar:
Estudo científico sobre a galinha d’angola: origem, habitat, alimentação, reprodução etc. Montar um mural sobre as descobertas que as crianças pesquisaram sobre o assunto.
3° momento:
Introdução ao trabalho de Artes (ver  Fazendo Arte).
 Contação de história:
A lenda da galinha d’angola. Atividade de pseudo-leitura, interpretação, extrapolação do texto.
4° momento:
Contação de história:
Bruna e a galinha d’angola: conhecendo o universo mítico africano representado pela Galinha d´angola e sua relação com a criação do universo.
5º momento:
 Estudo sobre o país africano de Angola: localização geográfica, principais costumes, história (regime de segregação vivenciado na África do Sul e que atingiu os países africanos; o racismo que “atravessou os mares” e chegou ao Brasil.).
Exploração dos costumes tribais e o resgate aos valores humanos defendidos na África: o perdão, o viver em tribo, a solidariedade.
6° momento:
 Conhecendo a ubuntu: palavra que no dialeto shosa quer dizer: “ nós só somos pessoa na relação com outra pessoa”.
 É uma forma de saudação africana.
Trabalhar oralmente com as crianças sobre as diferentes formas de exercitarmos a ubuntu no dia a dia.
Fazendo arte:
Explorar a estética da cultura africana – o significado das cores e sua relação com a natureza.
Contação de história: a lenda da galinha d’angola – explorar a estética presente nas cores e nas formas da ave.
 Explorar as cores e a beleza da galinha d’angola e sua relação com a cultura afro.
Confecção de um móbile com galinhas d’angola

Dica de Leitura: O Tabuleiro da Baiana.
Autora: Sonia Rosa
Era uma vez um país chamado Brasil.
Depois que os portugueses tomaram posse do país, trouxeram da África muitos negros para trabalhar como escravos.
Eles trouxeram suas músicas, suas danças, suas línguas, sua religião e muitos outros costumes, que com o passar dos anos, foram se misturando com os dos índios que aqui moravam e com os dos portugueses. Vários desses costumes viraram partes importantes da cultura do país, mas muita gente não se lembra de que eles foram trazidos pelos escravos.
A coleção Lembranças Africanas fala dessa herança.
O tabuleiro da baiana, mais recente lançamento da coleção, traz para o universo infantil a graça e o encanto desse personagem tão típico do cenário brasileiro: a vendedoras de quitutes que ficaram conhecidas em todo o país como “baianas”.
 As roupas, o tabuleiro e os pratos típicos da culinária baiana são sua “marca registrada”. Novamente, as ilustrações de Rosinha Campos dão vida e cor ao poético texto de Sonia Rosa.
 As aulas poderão ser enriquecidas com receitas culinárias africanas.
 Cante músicas que envolvam a temática e trabalhe a interpretação da música.

 Dica culinária: Leitura Instrucional
Galinha-D'Angola ao Molho
Rendimento: 4 porções
Ingredientes
1 galinha d'galinha média (1,5 kg)
1 colher (sopa) de sal
1 pitada de pimenta-do-reino
5 dentes de alho picadas
1 cebola grande (170 g) picada
2 colheres (sopa) de manteiga
2 colheres (sopa) de azeite de oliva
1 xícara de vinho tinto seco (240 ml)
4 folhas de louro esmigalhadas
2 xícara de água (480 ml)
Modo de Preparo
• Tempere a galinha por dentro e por fora com o sal, a pimenta-do-reino, o alho e a cebola. Reserve.
• Numa panela grande, em fo go alto, derreta a manteiga no azeite de oliva. Junte agalinha e refoge, virando-a de vez em quando, até dourar (cerca de 15 min).
• Acrescente o vinho e louro, tampe a panela e cozinhe em fogo baixo, regando aos poucos com a água, até a galinha ficar macia (cerca de 30 min). Retire do fogo.
• Corte a galinha em pedaços, disponha numa travessa, regue com o molho e sirva a seguir.

 Bruna e a Galinha D’angola
Resenha do Livro:
Bruna e a Galinha D´angola
Autora: Gercilda de Almeida
Ilustrações: Valéria Saraiva
Bruna era uma menina que se sentia muito sozinha.
Sua avó veio da África e sempre lhe contava histórias.
Uma que ela gostava muito era a do panô da galinha que sua avó trouxera da África.
“Conta a lenda de uma aldeia africana que Ósún era uma menina que se sentia só e para lhe fazer companhia resolveu criar o que ela chamava de " o seu povo”.
Foi assim que surgiu Conquém, a galinha d’Angola.
Bruna então pediu a seu tio que era um bom oleiro, que lhe ensinasse a trabalhar com barro.
 Bruna então modelou na argila a galinha d’Angola e passou a brincar com ela.
No dia de seu aniversário, sua avó lhe deu uma galinha d’Angola de verdade que andava e gritava:
_ Conquém! Conquém!
As outras crianças da aldeia que não brincavam com Bruna foram se aproximando dela e pedindo para brincar com a Conquém, aí Bruna arranjou muitas amigas e fizeram muitas galinhas de barro iguais a Conquém.
Um dia as crianças acharam no baú da avó de Bruna um panô que contava a lenda africana dos animais que ajudaram a Conquém na criação do mundo e de seu povo.
Conquém espalhou as sementes na terra, o lagarto desceu para ver se a terra era firma e o pombo foi avisar aos outros animais que podiam vir povoar aquele lugar.
Bruna e suas amigas ficaram muito conhecidas, porque todos da aldeia se juntavam para ouvirem a história do panô.
Sua avó resolveu ensinar as meninas a pintarem tecidos, como os que ela fazia na África, isso fez com que a aldeia ficasse conhecida.
Foi assim que todas as pessoas da aldeia de Bruna decidiram torná-la mais bonita e pintaram suas casas com as cores dos panôs da galinha d’Angola.
Um dia a Conquém sumiu e todas as meninas saíram a sua procura chamando:
_ Conquém, onde você está?
Com quem nós vamos brincar?
Tanto procuraram que a acharam escondida no mato.
As meninas encontraram um ninho com um belo ovo que ela protegia e chocava.
Tempos depois, cada menina da aldeia tinha sua galinha d’Angola e até hoje o povo daquela aldeia conta a história de Bruna e da galinha d’Angola para aqueles que compram os belos tecidos pintados pelas meninas.

 Cantando Vinícius... A Galinha d' Angola. Composição: Vinicius de Moraes / Toquinho
Vejam a letra desta música e mais sugestões sobre a galinha d'angola no blog Linguagem e Afins

http://linguagemeafins.blogspot.com/2011/08/lendas-galinha-dangola-literatura.html

http://linguagemeafins.blogspot.com/2011/08/recomendo-literatura-anfibios-galinha.html

 Principais conceitos trabalhados:
 Galinha d’angola
 África
 País de Angola
 Formas geométricas
 Matraca
 Lenda
 Dialeto africano
 Ubuntu
Recursos Complementares:
Livros de histórias; lápis de cor; CDs; internet etc.
Avaliação:
Para avaliar essa temática o professor poderá propor para os (as) alunos (as) socializar a produção através de uma exposição organizada na escola. Assim, aproveitar também para avaliar o decorrer das atividades através de questionamentos, anotações da professora e verificando se houve êxito nos objetivos propostos.