A QUE VEIO ESTE BLOG?
VEIO PARA DIVULGAR PROJETOS NOS MAIS VARIADOS CONTEÚDOS, TEMAS, FORMAS, NECESSIDADES E AFINS, CLARO!
SINTA-SE A VONTADE PARA USUFRUIR DE TUDO QUE FOR ÚTIL PARA SUA AULA.
DIVULGUE, PARTICIPE, COMENTE!
04 DE JULHO DE 2011
Um blog aliado às pesquisas de professores, pois existem muitas possibilidades lúdicas pela net,
além de inúmeros endereços pedagógicos incríveis.
Aqui vocês terão as postagens originais, ou partes delas,
adicionados às demais informações necessárias, com os devidos créditos atribuídos.
Amiga blogueira, se desejar divulgar seus projetos, entre em contato.

PROJETO DIDÁTICO

PROJETO DIDÁTICO: Reunião de atividades que se articulam para a elaboração de um produto final forte, em que podem ser observados os processos de aprendizagem e os conteúdos aprendidos pelos alunos. Costuma partir de um desafio ou situação-problema. Trabalhados com uma frequência diária ou semanal, podem estender-se por períodos relativamente prolongados (um ou dois meses, por exemplo), tornando os alunos especialistas num determinado tema.

terça-feira, 12 de julho de 2011

Projeto: Linguagem científica e literária


Escrita de verbetes enciclopédicos

Língua Portuguesa
Produção de textos

Justificativa:

Por meio da reflexão sobre o diálogo entre textos (comparação entre um verbete de enciclopédia e um livro da literatura infantil), este projeto propõe que a criança vá conhecendo tanto a linguagem escrita - os diversos tipos de textos presentes na sociedade em diversas situações de comunicação - quanto se apropriando das convenções da escrita.
A atividade deve permitir que a criança articule seus conhecimentos prévios sobre o tema (cães), sobre a linguagem (as propriedades da escrita bem como o tipo de texto trabalhado) e o que acabou por aprender ao longo do trabalho:
- As relações entre ler e escrever;
- Para quê e como a linguagem escrita registra e organiza a vivência de determinadas situações;
- De que forma divulgar o trabalho;
- Como se escreve para ser compreendido.
Ao longo do desenvolvimento, o aluno utilizará a linguagem escrita de forma contextualizada, ou seja, em determinadas situações nas quais faz sentido ler e escrever.
O aluno conhecerá também os aspectos gráficos e os elementos linguísticos do texto trabalhado - verbete de enciclopédia - percebendo as diferenças entre a linguagem científica e a literária.




Projeto:
Diferença entre a linguagem
 cientiífica e a literária
Objetivos
- Utilizar a linguagem oral em situações específicas de comunicação nas quais faz sentido expor opiniões, ouvir com atenção, sintetizar ideias, defender pontos de vista, contrapor.
 - Utilizar as convenções da escrita: maiúsculas em início de frases e parágrafos, sinais de pontuação,grafia de palavras mais conhecidas.
- Ler e escrever diversos tipos de textos: verbete de enciclopédia em situações comunicativas específicas e compreensão de suas funções sociais.
- Compreender as diferenças entre as linguagens científica e literária.



Conteúdo específico
- Leitura
- Escrita de verbetes

Anos
3º ao 5º ano.

Tempo estimado
Dez aulas



Material necessário
Papel sulfite, canetas, lápis de cor, enciclopédia e o livro A Outra Enciclopédia Canina (Ricardo Azevedo, 64 págs., Editora Cia. das Letrinhas, tel. 11/3707-3500, 35 reais).



Desenvolvimento:
  1ª etapa
Comece o trabalho perguntando de quais animais os alunos mais gostam.
Se houver um grande número de crianças que prefiram cachorro, ótimo.
Caso contrário, explique que todos vão saber mais sobre os animais, começando pelos cães.
E que, por isso, todos farão algumas pesquisas.
Inicie um debate para poder detectar os  conhecimentos prévios dos alunos a respeito do tema. Pergunte: quem teve ou tem cachorro?
Como ele é (tamanho, cor, raça)?
Qual o nome?
Quando e como nasceu?
O que ele costuma fazer que você gosta?
Indague também sobre o tipo de texto que vai ser trabalhado: Quem conhece uma enciclopédia? Quem já viu ou consultou uma?
Como ela é? Para que serve?
Como a gente encontra o que quer saber? (ressalte que o índice e a ordem alfabética auxiliam essa busca).
Em seguida, mostre o volume de uma enciclopédia do qual conste o verbete "cães".
Explique a divisão da enciclopédia em volumes e fale sobre a ordem alfabética e sobre as palavras-guias no alto da página.
 No verbete a pesquisar, mostre e discuta a ilustração, se houver.
Depois, leia o texto na íntegra e peça  que os alunos falem sobre o que estão entendendo do assunto.

2ª etapa
Mostre como um verbete se constitui, ou seja, qual é sua linguagem específica (sem precisar usar a nomenclatura gramatical, mas refletindo sobre ela).
Com a ajuda dos alunos, resuma na lousa as informações a respeito dos elementos que constituem o verbete, no caso dos alunos não terem cópia do texto.
Do contrário, isso pode ser feito em duplas ou em pequenos grupos e retomado com a classe toda, depois de algum tempo reservado para a atividade.
Assim, você vai propiciar um primeiro contato com a especificidade desse tipo de texto.



Flexibilização para deficiência física:
 (cadeirante com dificuldades de comunicação oral) Antecipe a atividade ou reforce-a posteriormente, pedindo ao AEE que faça com o aluno a pesquisa em outras enciclopédias e/ou no computador.



3ª etapa :
Amplie os conhecimentos sobre verbetes usando um livro da literatura infantil.
A Outra Enciclopédia Canina, de Ricardo Azevedo, é uma boa opção por ser um texto saboroso, crítico e também por adotar um modelo formal de verbete de enciclopédia.
Mas não se prenda a esse título.
Há diversos livros que podem ser utilizados da mesma forma.
 Faça uma leitura oral para os alunos.
Comece lendo o título, contracapa, orelhas, antecipando o assunto do livro. 
Faça perguntas sobre o autor da obra: quem conhece Ricardo Azevedo?
(Procure no Linguagem e Afins, toque'sguia: Ricardo Azevedo)
Quem já leu outro livro dele?
Mostre o índice e leia os nomes dos cães que constam dessa lista, copiando-os na lousa.
Solicite aos alunos que encontrem os nomes de raças que conhecem e os que nunca ouviram falar. Outro questionamento estará relacionado à forma de apresentação do livro: as crianças devem perceber que os nomes das raças estão em ordem alfabética, com a indicação da página, como forma de auxiliar o leitor a encontrar o que procura de maneira ágil.
 Faça uma rápida eleição da raça pela qual você iniciará a leitura oral.
Eleito o nome da raça, olhe no índice, agindo como modelo de leitor, leia o número da página e procure-a.
 Inicie a leitura em voz alta, com expressividade, sem explicar as palavras mais difíceis (ou pouco conhecidas dos alunos), esperando que eles façam perguntas, se for o caso.
Feita essa leitura inicial, levante com eles a definição e as características da raça escolhida (agora, sim, procurando os termos desconhecidos em dicionários).
Faça o levantamento desses elementos com eles na lousa.
Na leitura dos verbetes, vá discutindo ainda as diferenças entre esse livro e um verbete de enciclopédia científica para que os alunos percebam que não se trata mais de um texto científico (ainda que na forma dele), mas de um texto literário, em que o autor, num belo trabalho de linguagem, discute as características humanas pelas raças dos cães. Ricardo Azevedo, como escritor, utiliza a forma da enciclopédia.
No entanto, sua preocupação é fazer arte e não ciência.
Os recursos linguísticos utilizados na elaboração dos verbetes confirmam tratar-se de texto literário: metáforas, uso de "clichês" e escolha lexical aprimorada, além de uma certa aproximação com a fábula.



4ª etapa:
Concluindo o trabalho, proponha aos alunos a criação e a organização de pequenas enciclopédias, selecionando assuntos, dividindo-os por duplas, trios ou grupos, selecionando materiais necessários para a pesquisa e, por fim, elaborando os volumes.



Flexibilização para deficiência física:
(cadeirante com dificuldades de comunicação oral)
Coloque-o junto a um trio, seja claro quanto ao que é esperado do seu comportamento (por exemplo, ouvir os amigos, esperar a vez de expressar suas ideias, colaborar com sua produção).
Os verbetes produzidos pelos alunos deverão ter várias etapas de escrita:
- Pesquisas/resumos sobre o tema escolhido;
- Decisão sobre as ilustrações (haverá? Qual a técnica: desenho, colagem,pintura etc.? Quem fará? etc.);
- Primeira versão escrita e leitura pelos próprios autores;
- Revisão do texto na versão inicial, leitura de outros leitores não autores daquele verbete (portanto, outros alunos da classe);
- Nova revisão novamente, tendo em vista as sugestões dos colegas (que devem verificar se a linguagem é específica de verbete, se o assunto está bem explicado etc.);
- Leitura do professor de todos os verbetes.



Flexibilização para deficiência física:
(cadeirante com dificuldades de comunicação oral)
Peça sua colaboração também por meio de lições de casa em que a família e/ou o AEE pesquisem com ele.
Ele pode levar uma ficha com informações específicas para completar sobre seu cachorro (raça, tamanho, idade, cor do pelo, comportamento) e trazê-la como contribuição para o trabalho de seu trio.
O desenho e outras ilustrações dele para o livro podem ser feitos em prancheta adaptada e em papel em tamanho maior para depois serem reduzidos no computador.

5ª etapa:
 Organize a elaboração da versão final de cada verbete pelos alunos e de cada enciclopédia, com capa, página de rosto, índice, ilustração, verbetes em ordem alfabética, nomes dos autores.
Planeje uma exposição das enciclopédias para outras classes da escola e para os pais.
Providencie a doação das enciclopédias à biblioteca da escola ou do bairro e promova uma tarde de autógrafos.



Produto final:
Enciclopédia com verbetes diversos.

Avaliação:
Veja se os alunos avançaram em suas capacidades de selecionar, reconhecer ideias principais, destacar informações básicas e resumir.
Avalie também a ampliação e instrumentalização do vocabulário específico de determinadas áreas de conhecimento.



Consultora: Alfredina Nery
Graduada em Letras e mestre em Psicologia da Educação

Fonte:



Texto literário e texto científico:
Distinções fundamentais

— O que distingue o texto literário do texto científico?
O que permite a alguém reconhecer que está diante de uma obra de arte verbal e não de uma obra de informação do saber?
Como se sabe, a expressão vem de littera, letra, modo de escrever, ou mesmo, carta.
A partir daí, literatura seria tudo que é escrito, como bula de remédio, bibliografia sobre doenças, anúncio de cartomante, livro de Arnaldo Antunes etc.
Com uma sutil diferença – a inicial maiúscula –, Literatura seria, para alguns estudiosos, a arte da escrita criativa. Ou o conjunto de obras artísticas de natureza verbal.
Mas, nem sempre, os estudiosos estiveram de acordo entre si, quanto à observação deste critério definidor.
 Na idade média, por exemplo, quando a escrita era uma arte dominada por poucos, quase tudo que era escrito se confundia com literatura.
(...)Podemos estabelecer algumas distinções básicas entre a linguagem literária, de natureza estética, e a linguagem científica, de natureza pragmática.
Tais distinções valem ainda para outras modalidades de discurso, como o informativo, o emotivo, o coloquial etc.
(...)O texto literário é antes de tudo um jogo de linguagem, no qual esta pode aparecer tanto quanto o próprio conteúdo veiculado.
Como esta linguagem artística é opaca, isto é, retém o olhar sobre si, antes de conduzi-lo ao objeto retratado, ela aparece como parte do objeto.
Já o texto destinado a ensinar, a comunicar o saber da ciência, é uma modalidade de discurso informativo onde a linguagem é transparente, permitindo que a atenção do leitor atravesse as palavras e frases e veja de forma clara aquilo que é informado.
Como o objetivo é mostrar algo, é explicar um conjunto de saberes, a linguagem científica é transparente – invisível aos olhos que buscam um objeto definido.
Neste ponto, o texto literário se opõe a diversas modalidades de texto, quer sejam elas científicas, informativas ou pragmáticas.
Estaria um tanto próximo do texto coloquial, como a fala do dia-a-dia, bem mais complexa do que as outras, porque contém em si a semente e a soma de todos os registros do falante.
Ela, a linguagem do dia-a-dia, é um pouco científica, informativa, e um pouco inventiva, artística.
É pragmática e também emotiva, especulativa – lúdica.
É da sua riqueza esquecida por entre as frases cotidianas que se constróem os primeiros jogos de sentido da arte verbal.
 É no saber arcaico da linguagem coloquial que se procuram as pedras que servem de base para as torres da dicção artística.
No texto literário a linguagem é opaca; ela não apenas refrata, distorce ou redimensiona o objeto, como retém o olhar sobre si mesma, compartilhando a atenção do leitor com o objeto que constitui o plano do conteúdo da obra.
(...)Não esqueçamos que o texto científico utiliza uma linguagem denotativa, isto é, que propõe uma direção única de significados, conduzindo o leitor a um só feixe de interpretação.
O que importa aí não é a linguagem e suas revelações subsidiárias, mas o objeto ao qual ela se refere de modo direto, transparente, objetivo.
Já o texto literário utiliza uma linguagem conotativa, isto é, que sugere um leque de possibilidades interpretativas, onde a textura das frases resvala em sentidos outros, em restos de saberes antigos e novos escondidos por entre as frestas da frase.
As múltiplas interpretações abertas pelo texto literário convidam à participação ativa do leitor: sua experiência de vida, sua sensibilidade e sua bagagem afetiva e intelectual constituem cadeias de relações dos seus conhecimentos com as projeções da obra lida.
Como a linguagem literária é conotativa, ela consegue traduzir um universo de possibilidades bastante amplo e, ao fazê-lo, atribui novos sentidos, constrói novos objetos, formados pelo redimensionamento dos objetos dados.
 (...)Se o texto científico quer explicar, informar e enformar o mundo conhecido, dando a ele uma forma transmissível ao leitor, o texto literário quer descobrir o desconhecido.
O texto científico é informativo: dá conta de algo que se sabe e que se transmite a alguém.
O texto literário registra uma viagem exploratória: ao mesmo tempo em que tenta descobrir, permite ao leitor acompanhar o processo de descoberta.



* Cid Seixas. Texto literário e texto científico: distinções fundamentais. Coluna "Leitura crítica" do jornal A Tarde, Salvador, 17 jan. 1998, p. 7.



Um comentário:

  1. Olá linda:-)
    Aqui estou para conhecer
    esse espaço maravilhoso,meus
    parabéns pelo bom gosto!
    Te ofereço meu Award e os Selinhos
    do post de hoje,e se gostar de mais
    alguns dos meus Selinhos que estão
    na rolante fique à vontade ok!

    Um belo dia para você
    beijoss fica com Deus!

    ResponderExcluir

Deixe um tema para projetos publicar!